pt Portuguese

Blog Solution

Microlearning: o que é e como usar de forma inteligente

- 4 min leitura

Uma das principais mudanças que percebemos nos últimos anos é na forma como estamos vivendo. Tudo está correndo em um ritmo acelerado, todos os prazos são para ontem e as nossas vidas estão mais agitadas.

Bem, não é à toa que o nosso estilo de aprendizagem se transformou. 

É claro que esse processo se intensificou com a pandemia do covid-19, mas era algo iminente e que iria acontecer em pouco tempo. 

Parece que a frase “o tempo urge” nunca fez tanto sentido. Já não temos mais paciência para lidarmos com os sistemas tradicionais. 

Para exemplificar, imagine a seguinte situação: você decidiu proporcionar um treinamento para seus colaboradores. 

O assunto do treinamento é complexo, por isso demanda mais tempo de abordagem. Agora, a fala do palestrante já passa de uma hora de duração e ele ainda não começou a trazer exemplos de aplicação. 

Nesse caso, quais são as chances dos colaboradores estarem prestando atenção?

Poucas, não é?

E é, inclusive, normal que eles já não tenham a atenção presa no treinamento, afinal, são muitos minutos em cima de uma assunto maçante. Para o estilo de vida que levamos hoje, esse tipo de situação já não cria mais a mesma identificação que antes. 

É exatamente aí, nessa pequena falha, na mudança de comportamento, de aprendizagem e de investimento de tempo, que o modelo de ensino chamado Microlearning entra!

Continue lendo para saber o que é e como você pode usar de forma inteligente.


Micro aprendizagem?

Do inglês, Microlearning é uma abordagem que, em poucas palavras, transmite pequenas quantias de conhecimento em um curto espaço de tempo.  

Apesar de inicialmente provocar estranheza, por ser um método diferente do que estamos acostumados, a ideia é tratar de assuntos complexos em pequenas sessões.

O objetivo é adaptar o ensino de assuntos importantes em fragmentos mais fáceis de serem assimilados, condizente com o estilo de vida que levamos.

Assim, como o tempo é curto, a linguagem também é adaptada, podendo ser trabalhada de uma forma mais simples, sem rebuscamentos desnecessários. Tudo para que o receptor tenha a informação de forma facilitada. 

Os recursos multimídia também são muito bem-vindos em um espaço de Microlearning, pois são mais dinâmicos e estimulam o aluno a seguir interessado pelo conteúdo. 

E depois de tudo o que falamos aqui, parece meio óbvio que a aprendizagem se dá no ambiente online, não é?

O espaço virtual nos dá mais possibilidades, o que vimos com muita evidência em todo o período de pandemia. A adaptação foi forçada, mas com o tempo esse estilo de ensino foi conquistando o seu lugar e o principal fator para isso é a flexibilidade que o online proporciona.

Apesar disso, agora você pode estar se perguntando se, com esse modelo de aprendizagem, o aluno não fica sem receber todo o conteúdo ou se ele tem o necessário.

Pois bem, pegue uma aula tradicional, que pode durar até mais de hora, e divida ela em pequenas porções. Com a informação mais concentrada e em blocos de tempo realistas, você tem uma exemplificação de Microlearning. 

É importante deixar claro que o Microlearning não implica em pouca informação. Trata-se apenas de uma divisão correta voltada para o aprendizado facilitado. 

Quando falamos de educação corporativa, então, estamos pensando em alunos que são colaboradores da empresa. Eles têm seus dias cheios de tarefas e tudo o que menos querem é desperdiçar seu tempo com informações que, para eles, são irrelevantes. 

O Microlearning torna o processo mais direto e simples. 

Para o colaborador, as vantagens do Microlearning são inúmeras, indo desde a otimização do tempo, pois aprende apenas aquilo que é relevante para a sua função, até a produtividade, diminuindo os índices de falhas. 


Microlearning e Webconferência: unindo ambos de forma inteligente

A Webconferência é uma grande aliada quando falamos em Microlearning, sabe por quê?

O sistema, que você já deve ter ouvido falar nos últimos tempos, simula o ambiente presencial, permitindo estabelecer a comunicação por meio da internet. É uma sala virtual com horário marcado para todos se encontrarem.

Mas, o que difere a Videoconferência, nome que estamos mais acostumados a ouvir, da Webconferência?

A diferença está no que cada uma proporciona. Enquanto a Videoconferência se limita ao áudio e vídeo, a Webconferência possibilita recursos de interação com o receptor, como slides, tutorias, chats, etc.

É por isso que a Webconferência é o mais recomendado quando falamos em Microlearning: é um jeito de comunicar mais dinâmico e se encaixa perfeitamente com o conceito que acabamos de apresentar. 

Muitas empresas já estão adotando o sistema em suas Universidades Corporativas, principalmente por causa das suas vantagens:


– É uma comunicação síncrona que garante mais assertividade na troca com os receptores;

– Estimula a interação entre todos, inclusive entre os próprios alunos, também trazendo o conceito de Social Learning;

– É mais dinâmico que uma simples videoconferência;

– Possibilita pequenas doses de conteúdos, se adaptando ao Microlearning.


Ou seja, unir o Microlearning com a Webconferência só tem a acrescentar na empresa. O segundo facilita o caminho do primeiro, reforçando o objetivo central de transmitir apenas as informações relevantes, sem tornar o processo maçante. 

E, de certa forma, já vínhamos tendo experiências parecidas ao longo dos últimos tempos. Para implementar o Microlearning na Universidade Corporativa, reúna os conhecimentos adquiridos e transforme em pílulas de conhecimento passadas por meio da Webconferência.

Aproveite esse recurso para expandir os conhecimentos da sua equipe, buscando aprimorar e qualificar os colaboradores! 

Gostou do conteúdo? Venha conferir muito mais em nosso blog! 

Deixe um comentario