Bloco K e Sped fiscal: tudo o que você precisa saber sobre  

Tempo de leitura: 3 minutos

É preciso estar atento às questões contábeis e fiscais de uma empresa, para garantir que todos os processos sejam feitos em conformidade com a legislação. 

Pensando nisso, neste blog post nós trouxemos dois assuntos muito em alta nos últimos tempos, devido aos processos de modernização pelos quais passaram. 

Utilizar o Sped fiscal significa evitar erros e punições por parte do governo. E enviar as informações ao Bloco K, também garante benefícios para a própria empresa!

O que acha de entender mais sobre o assunto?

Nesse post você confere o que são Sped fiscal e Bloco K, quais são os seus objetivos e os seus benefícios. 

Sped fiscal: o que é, quais os objetivos e seus benefícios 

Você, gestor, provavelmente já conhece ou ouviu falar no Sped fiscal, não é? Esse não é um tema novo, afinal, ele foi instituído pelo Decreto nº 6.022 de 2007. 

Sped é a sigla para Sistema Público de Escrituração Digital, e trata-se de um avanço na informatização da relação entre o fisco e os contribuintes. 

Como agora ele é digital, acaba sendo uma modernização muito prática para as empresas realizarem o cumprimento das obrigações acessórias – os instrumentos exigidos pelas autoridades para coletar dados referentes às operações das empresas.

Essas obrigações são transmitidas pelos contribuintes para as administrações tributárias e para os órgão fiscalizadores. 

Em outras palavras, o Sped é uma plataforma de unificação entre as atividades de recepção, validação, armazenamento e autenticação de documentos de escrituração contábil e fiscal de contribuintes. 

A sua forma digital permite, então, uma certificação digital para gerar as assinaturas dos documentos eletrônicos, garantindo que os mesmos tenham validade jurídica. 

Além de outras questões, que você pode conferir diretamente no site do SPED, essa forma moderna e digital para as escriturações estabelece um um relacionamento transparente para todas as partes envolvidas. 

É importante ressaltar que o Sped fiscal é apenas um dos três programas do Sped. Os outros dois são a Escrituração Contábil Digital (Sped Contábil) e a Nota Fiscal Eletrônica (NF-e).

Quanto aos objetivos do Sped, ele preza por promover a integração dos fiscos, racionalizar e uniformizar as obrigações acessórias para os contribuintes e tornar mais rápida a identificação de ilícitos tributários.

Agora que você já sabe o que é o Sped e quais são os seus objetivos, vamos conferir os seus principais benefícios: 

  • Elimina o uso do papel, trazendo mais segurança por meio de processos digitais;
  • Reduz custos e otimiza espaço por não precisar guardar os arquivos impressos; 
  • Uniformização das informações que o contribuinte presta às unidades federadas;
  • Redução de erros involuntários evitando o envolvimento em práticas fraudulentas;
  • Fortalecimento do controle e da fiscalização por meio de troca de informações entre as administrações tributárias;
  • Possibilidade de troca de informações entre os contribuintes.

Como tudo o que é digital, uma das grandes vantagens em relação aos processos impressos em papéis, é a rapidez no acesso às informações. 

Além disso, ele também permite o cruzamento entre dados contábeis e fiscais, auxiliando no combate à sonegação. 

E então, esse conteúdo foi relevante para você? 

Chegou o momento de entendermos um pouco mais sobre o Bloco K!

Bloco K: o que é, qual o seu objetivo e seu benefício   

O Bloco K está interligado ao Sped, por isso tratamos de ambos os assuntos juntos. 

Trata-se de uma versão também digital do livro eletrônico de Registro de Controle da Produção e do Estoque. 

Assim como o Sped tem três programas, o Bloco também tem, além do K, outras oito aplicações, cada uma para obrigatoriedades diferentes.  

O Bloco K faz parte das informações da Escrituração Fiscal Digital do ICMS/IPI, que, por sua vez, é parte integrante do Sped. 

Em suma, ele é designado para a prestação de informações, de frequência mensal, sobre produção, gastos e registro do estoque escriturado

Ou seja, todos os dados que estejam relacionados às entradas e saídas da produção, bem como as quantidades de materiais em estoque, tanto de produtos próprios quanto de terceiros. 

Além disso, devem prestar informações sobre consumo de matéria-prima, insumos, saldos e perdas que aconteceram durante o processo de produção. 

Quem deve prestar essas informações, de acordo com a legislação, são os estabelecimentos de atacado, indústrias e outros equivalentes. 

E mais, fica a critério do Fisco exigir de estabelecimentos contribuintes de outros setores. 

Assim, o objetivo do Bloco K nas empresas é trazer uma estruturação melhor para quem deseja crescer

Com essa tecnologia, o gestor da empresa tem um auxílio para fechar os ciclos completos de operações, conseguindo abranger toda a movimentação do estoque – desde a compra da matéria-prima até a fabricação do produto. 

O grande benefício é o acesso que se tem das informações sobre a produção. Com esses detalhes, é possível ter consciência de todos os custos envolvidos no processo produtivo. 

No entanto, para que o Bloco K seja entregue de maneira correta, todos os colaboradores precisam estar cientes da importância de registrar as entradas e saídas e tudo relacionado a produção e estoque. 

É papel do gestor esclarecer e reforçar o que deve ser feito. 

E então, esse conteúdo foi útil para você? Confira mais em nosso blog, por lá nós estamos sempre atualizando conteúdos relevantes para você e para a sua empresa!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *